Como agir em caso de enchente

Como agir em caso de enchente

Em decorrência das chuvas intensas, diversas cidades do país passaram por enchentes no último final de semana. Segundo dados do Climatempo, o volume que caiu no litoral paulista entre a noite de domingo, 28, e o início da manhã de segunda foi extremamente elevado, chegando a 350 mm em alguns pontos.
Você passou foi alguns dos milhares de afetados? Será que agiu da melhor maneira? Veja as dicas abaio e não seja mais pego de surpresa.

Durante uma enchente

Se você vive ou trafega em áreas passíveis de inundação, esteja atento às notícias de rádio, TV ou internet para obter informações antecipadas sobre o problema. Se você foi informado de que vai haver chuva em sua região, tome as providências para se manter seguro. Se houver tempo, leve itens essenciais (água potável, alimentos prontos e roupas secas) para um andar superior, ou um local onde a água não deve chegar. Lembre-se que é mais importante você estar a salvo do que preservar seus pertences. Desligue a energia elétrica na caixa de força de sua casa: a água pode conduzir eletricidade e provocar choques elétricos em pessoas e animais. Você não deve tocar em equipamentos elétricos se tiver descalço ou com os pés molhados. Feche os registros de água, para preservar a tubulação das águas geralmente sujas das inundações. Não ande pela água: apenas dez centímetros de profundidade, em uma enxurrada, podem fazer você cair e ser carregado pela correnteza. Se for imprescindível andar na água, caminhe por onde há menos movimento e use uma vara, um cabo de vassoura, um rodo invertido ou qualquer outra haste rígida para verificar de o solo a sua frente é firme e raso.

Se você estiver dirigindo

Não dirija em áreas inundadas: vá sempre para um lugar seco. Se a água começar a tomar a rua e for possível abandonar o carro com segurança, abandone-o e siga para lugares altos e secos. Permanecendo no veículo, você e ele podem ser levados rapidamente por uma enxurrada. Dez centímetros de profundidade são suficientes para a água chegar ao assoalho do seu carro, causando perda de controle, se o carro estiver em movimento, e podendo danificar seu veículo, fazendo-o “morrer”. Na dúvida, não arrisque. Cerca de 50 centímetros de profundidade de água (altura dos nossos joelhos) são suficientes para fazer um carro flutuar. Um metro de profundidade de água (altura de nossos umbigos) é o suficiente para levar a maioria dos veículos, inclusive caminhonetes e utilitários esportivos.

Evite doenças

O contato com água suja e lama, durante inundações, expõe as pessoas a doenças como diarreias, leptospirose e hepatite A, além de problemas de pele. Após enchentes, portanto, é preciso desinfetar os estabelecimentos afetados e redobrar os cuidados com a higiene, a água e a comida. Outra ameaça comum a vítimas de enchentes é a leptospirose, transmitida pela urina de rato. Os sintomas são parecidos aos da dengue: febre, diarréia, náuseas, dores musculares e de cabeça. A infecção pode atingir órgãos vitais e, por isso, requer internação. Para prevenir a leptospirose, lembramos que é útil usar botas ou luvas de borracha, e mesmo sacos plásticos, ao lidar com a água de enchentes, já que pequenas feridas podem permitir a entrada do agente causador da doença pela pele. Se isso não for possível, lave bem o corpo com água e sabão.

Lembre-se: em caso de risco, ligue para 199 e acione a Defesa Civil de sua cidade.

Fonte: Brigada Militar do Rio Grande do Sul e Climatempo.